Quais alimentos não podem faltar na alimentação infantil?

alimentação infantil é uma preocupação constante dos pais, afinal, uma dieta adequada é essencial para o crescimento, concentração e saúde das crianças. A carência nutricional pode resultar em diversas doenças e distúrbios no desenvolvimento físico e cognitivo dos pequenos.

Existem alimentos que são fontes de nutrientes importantíssimos para as crianças e, por isso, devem ser incluídos no cardápio para que as necessidades nutricionais diárias sejam supridas.

Quer saber quais são eles? Então, continue lendo este post!

Por que se preocupar com a qualidade dos alimentos oferecidos para as crianças?

As crianças têm a capacidade gástrica reduzida, ou seja, não aguentam comer muita quantidade. Por conta disso, é importante oferecer alimentos de qualidade e com alto valor nutricional. Assim, você fica mais seguro de que o seu filho consumirá todas as vitaminas e minerais necessários para o bom desenvolvimento.

Em contrapartida, se a criança come muitos alimentos com baixo valor nutricional ou, como chamamos, de calorias vazias, ele vai deixar de comer os saudáveis e pode ter a saúde comprometida.

Além do mais, há enfermidades relacionadas com o consumo exagerado de guloseimas e alimentos industrializados, como a obesidade, diabetes e hipertensão.

Quais são os melhores alimentos para incluir na alimentação infantil?

Todos os nutrientes são fundamentais para o crescimento saudável das crianças. No entanto, alguns merecem destaque na alimentação infantil por terem benefícios específicos no desenvolvimento delas.

Carnes e ovos

As carnes são fonte de ferro — um mineral essencial para a prevenção da anemia — e de proteínas, que são responsáveis pela manutenção dos órgãos, músculos e outros tecidos do corpo. Os ovos, também são fonte de proteínas de alto valor biológico e de vitaminas, como a A e as do complexo B.

Leite e laticínios

O leite, queijos e iogurtes contêm quantidades significativas de cálcio. Esse mineral fortifica os ossos e dentes. Vale lembrar que o leite integral só deve entrar na alimentação das crianças após um ano de idade, por risco de desenvolver alergia. No entanto, em algumas situações podem ser indicadas fórmulas específicas.

Além do mais, o aleitamento materno deve ser exclusivo até o sexto mês do bebê e continuado como complemento até os dois anos, sendo oferecido entre as refeições.

Frutas, verduras e legumes

Eles fornecem ao organismo uma diversidade de nutrientes, como vitaminas, minerais e fibras e devem ser consumidos em todas as refeições diárias.

Cereais integrais

São ricos em carboidratos — a principal fonte de energia para o organismo. Além do mais, contêm vitaminas e minerais. As versões integrais ainda têm as fibras que ajudam no trânsito intestinal. Nesta lista entram o arroz, milho, trigo, aveia e outros.

Leguminosas

Neste grupo estão os feijões, soja, lentilha, grão-de-bico e outros mais. As leguminosas têm ferro, vitaminas, minerais e fibras. A combinação de leguminosas e cereais, como o feijão e o arroz, se complementa em proteínas e que assim são melhores aproveitadas pelo organismo.

Ômega-3

Embora o ômega-3 não seja de fato um alimento e sim um nutriente, as suas fontes devem fazer parte do cardápio infantil. São elas: peixes de águas frias (salmão, atum, sardinha), nozes e castanhas, chia e linhaça.

Esse ácido graxo essencial favorece a comunicação dos neurônios, melhorando o aprendizado e a memória.

Como garantir que meu filho consuma todos os nutrientes?

Para isso, é imprescindível a orientação de um nutricionista. Esse profissional vai adequar toda a dieta da criança de acordo com as necessidades nutricionais e preferências alimentares, e, se for preciso, prescrever suplementação alimentar.

A alimentação infantil saudável é o primeiro passo para uma nutrição completa para as crianças. Portanto, inclua no cardápio do seu filho os alimentos que não podem faltar para que ele consuma todos os nutrientes importantes para ele.

Agora que você já sabe mais sobre alimentação infantil, que tal ler o nosso artigo sobre como a suplementação alimentar pode ajudar na amamentação do bebê?

Deixe um comentário

Share This